Salar de Uyuni: Roteiro completo sobre como chegar, quando ir e o que fazer

Próximo ao Brasil, um destino barato com uma dose de perrengue e paisagens de tirar o fôlego e ideais para tirar aquelas famosas fotos de perspectiva. Assim, é o Salar de Uyuni na Bolívia, o maior e mais alto deserto de sal do mundo.

Para ideia, é possível ver o Salar do espaço de tão grande que é. São 10.582 quilômetros quadrados cobertos de sal e 3.656 metros acima do nível o mar.Onde hoje é o deserto de sal, havia um grande lago pré-histórico chamado Michin há cerca de 40 mil anos. Quando este secou, surgiu Uyuni. Estudiosos estimam que o Salar de Uyuni possua 10 bilhões de toneladas, sendo uma das maiores reservas de lítio do mundo.

O Salar de Uyuni é ótimo para tirar as famosas fotos de perspectiva

Quando ir?

O Salar pode ser visitado tanto no inverno quanto no verão. O que muda são as temperaturas (claro!) e a paisagem. Nós, por exemplo, fomos em agosto, em pleno o inverno, e pegamos o Salar sequinho, com um branco de doer os olhos e o chão com com ranhuras, desenhando toda a paisagem.

Já no verão e nos meses mais quentes é possível ver o Salar alagado, proporcionando um reflexo perfeito da paisagem que até confunde o que é realidade e o que é a imagem refletida.

Junho a Agosto: muito frio, mas se tiver com roupas adequadas dá para sobreviver. As temperaturas ficam entre 3ºC e 4ºC. Já o Salar fica seco, pois dificilmente chove nesse período do ano.

Dezembro a Março: clima mais ameno, no qual a temperatura varia de 5ºC a 21ºC. Esse é o período da chuva e para quem quer ver o Salar espelhado, o ideal é ir em Janeiro ou Fevereiro, pois as chances são maiores.

Já nos outros meses você encontrará o Salar seco e as temperaturas variam entre 0ºC e 20ºC.

No inverno, o Salar fica com o solo seco e com rachaduras

Documentos, visto e câmbio

A imigração por terra do Deserto do Atacama para Uyuni ou vice e versa é super tranquila, já que é necessário apenas mostrar a identidade dentro do prazo de validade (no máximo 10 anos) e em bom estado ou o passaporte. Sendo que ao entrar com a identidade, você receberá um documento de permissão de entrada na Bolívia, o qual você deverá apresentá-lo.

Além disso, guarde muito bem o PDI que é um documento que a imigração do Chile dá logo assim que você entra no país e que deve ser apresentado na saída.

Para entrar no território boliviano é preciso ainda apresentar o Certificado Internacional de Vacinação, comprovando a vacina da Febre Amarela. Quando fomos não pediram, mas é sempre bom levar para evitar dor de cabeça ou até mesmo de ser “barrado na fronteira. Já pensou?!

Já o visto para quem vai ficar no país a turismo não é necessário. Os viajantes podem permanecer no país até 90 dias.

Em relação ao dinheiro, a moeda utilizada é o boliviano e te uma excelente cotação. Para ter ideia, 1 boliviano equivale hoje a R$ 0,55. Para trocar o dinheiro, sugerimos que o faça quando estiver em San Pedro do Atacama, pois Uyuni é uma cidadezinha pequena e com poucas casas de câmbio. Aí, você já pode imaginar: a cotação é bem mais cara. Já no Atacama há mais opções e um câmbio um pouco mais e conta.

Agências e custos

Nossa ia até o Salar foi a partir do Deserto do Atacama. Fechamos o tour da travessia de 03 dias (só de ida) com a World White Tourjá que depois partiríamos para o Peru. Mas, quem quiser voltar para o Atacama é possível. Nesse caso, a volta se dá no quarto dia e é um pouco mais cansativa, já que não há paradas.

Há ainda a possibilidade de começar a travessia a partir da Bolívia com voos diretos de La Paz e Santa Cruz e La Sierra.

O atendimento do staff e o motorista da World White Tour foram ótimos. Todos atenciosos, simpáticos e prestativos. Para ter ideia, nosso motorista foi também guia, cozinheiro e fotógrafo! 

O passeio incluiu o transporte, alimentação (café da manhã + almoço + jantar), sacos de dormir térmicos e alojamentos.

Valor do passeio (2016): cerca de 85 mil pesos por pessoa. Cerca de R$ 480,00. Atualmente, está US$ 195 por pessoa, ou seja, algo em torno de R$ 736,84.

Há a opção de fazer também o tour privado, porém o custo é mais elevado.

Em San Pedro do Atacama quase todas as agências oferecem o passeio da travessia. Logo, é possível comparar atendimento e preços. Pechinche sempre!

Estrutura e entrada no parque

Depois encontramos com o nosso motorista e guia. Ao todo, foram mais 03 pessoas conosco. No total de 06, contanto com o motorista. O curioso é que observamos que todas as agências possuem sempre dois carros que fazem o percurso juntos. Assim, caso um deles tenha algum tipo de problema, o outro está lá para ajudar.

A nossa primeira parada foi no Reserva Nacional de Fauna Andina Eduardo Avaroa, no qual tivemos que pagar 150 bolivianos por pessoa, cerca de R$ 82,00, para podermos circular até as lagunas e irmos até o Salar de Uyuni.

O abrigo e perrengues

No primeiro dia se dorme em uma hospedagem chamada de abrigo no meio do deserto. O que ficamos, por exemplo, não era luxuoso, mas tinha infraestrutura: quartos, cozinha e banheiros, porém sem chuveiros. Sim, nesse dia passamos um dia sem tomar banho. Já em relação à comida era simples, mas caseira e bem gostosa. Lanchamos, jantamos e tomamos café da manhã.

Para dormir foi preciso de sacos de dormir térmicos, fornecidos pela agência, e cobertas, pois o frio durante a noite é intenso. Para ter ideia, congelou as janelas do abrigo. E o quarto foi compartilhado com mais 03 pessoas e nós dois.

Outra curiosidade é que a energia elétrica no funciona apenas até uma determinada hora. Logo, é importante assim que chegar já colocar os aparelhos eletrônicos para carregar e não esqueça de um filtro de linha, pois há poucas tomadas.

Claro que há opção de hospedagens e até hotéis mais luxuosos e com água quente, mas o custo será bem mais caro e você não terá aquela história de viagem para contar. 😉

Roteiro dia a dia

Primeiro Dia:

  • Laguna Blanca
  • Laguna Verde
  • Deserto de Dalí
  • Gêisers Sol de La Mañana
  • Águas Termales de Polques
  • Laguna Colorada
A maravilhosa Laguna Blanca, Bolívia
Laguna Verde congelada no inverno
Na Laguna Colorada lhamas e flamingos convive pacificamente

Segundo Dia:

  • Arból de Pedra
  • Mirador do Vulcão Ollague
  • Laguna Canapa
  • Laguna Honda
  • Laguna Hedionda
  • Laguna Chaxa
  • Salar e Tiguana
  •  Jantar e Pernoite no Hotel de Sal
Ao fundo o Vulcão
Laguna Honda, Bolívia
Laguna Hedionda, Bolívia

Passar a noite no Hotel de Sal foi uma experiência única, já que ele é construído todo de sal. Paredes, colunas e até mesmo o chão é de sal, mas com infraestrutura, como: quartos privativos e coletivos, área para o jantar, banheiros e o melhor: água quente. Outra vantagem do hotel é que não há a restrição da energia elétrica, já que dura a noite toda. Agora o número de tomadas é bem pequeno. Uma solução que arrumamos foi levar um filtro de linha para carregar os celulares, câmeras etc.

Terceiro Dia:

  • Ver o sol nascer no Salar de Uyuni
  • Escultura e sal Dakar Bolívia
  • Praça das bandeiras
  • Ver o sol nascer no Salar de Uyuni
  • Museu de sal
  • Montones de sal
  • Cemitério de trens
Milhares e milhares de fotos em perspectiva
Escultura Dakar no Salar de Uyuni

Para ver o nascer do sol no Salar é preciso madrugar. Para ter ideia nós saímos por volta das 4h da manhã do hotel de sal e disposição para encarar o frio, principalmente, no inverno. Pra ter ideia, como nós fomos justamente na época mais fria, a temperatura de manhã bem cedo estava 6 graus negativos.

Nascer do sol no Salar de Uyuni
Sensação de pisar na lua

Mas, todo o frio e os dedos “congelados” vale a pena, pois os raios de sol que vão de alaranjados a rosados e o chão de um branco infinito dão a sensação de se estar literalmente em outro planeta ou até mesmo na lua.

Dicas para evitar perrengues

A travessia não é coisa de outro mundo, mas como são de 03 a 04 dias de viagem de carro e pernoites no meio do “nada” é bom se prevenir e levar com você algumas coisinhas. Confira abaixo:

  • Roupas quentes (primeira camada, casado corta-vento, luvas, toucas etc) para os dias e noites mais frios;
  • Botas e sapatos fechados para andar na areia e no salar
  • Protetor solar, chapéu ou boné e óculos escuros
  • Roupa de banho
  • Toalhas, sabonetes e outros produtos de higiene pessoal (não esqueça do papel higiênico)
  • 01 galão de água mineral (por pessoa)
  • Biscoitos, frutas, barrinhas de cereal e outros lanchinhos

Confira também: Guia de sobrevivência no Deserto do Atacama – Como e quando ir, o que levar etc

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s